Simplesmente genial. Vale a pena ver e refletir.

By RICHARD H. THALER

Published: August 21, 2010 – New York Times

BUSINESSES in nearly every industry were caught off guard by the Great Recession. Few leaders in business — or government, for that matter — seem to have even considered the possibility that an economic downturn of this magnitude could happen.

David G. Klein

What was wrong with their thinking? These decision-makers may have been betrayed by a flaw that has been documented in hundreds of studies: overconfidence.

Most of us think that we are “better than average” in most things. We are also “miscalibrated,” meaning that our sense of the probability of events doesn’t line up with reality. When we say we are sure about a certain fact, for example, we may well be right only half the time.

To see how it works, try this little quiz: Give two estimates of the diameter of the moon in miles — a high and a low one, so that there is about a 10 percent chance that the moon is bigger than the upper estimate and a 10 percent chance that it is smaller than the lower one. It is easy to be 100 percent sure by making your low guess zero and your high guess a trillion, so don’t cheat. Write down your answers before reading further.

When faced with questions like this in experiments, people tend to give confidence bounds, or limits, that are too narrow. In other words, the correct answer is outside their limits much more than 20 percent of the time, creating too many surprises. (The answer to the moon question, by the way, is 2,160 miles. Were you surprised?)

Some economists have questioned whether such experimental findings are relevant in competitive markets. They suggest that students, who often serve as guinea pigs in such tests, are overconfident, but that the top managers in large companies are well calibrated. A recent paper, however, reveals that this hopeful view is itself overconfident.

In that paper, three financial economists — Itzhak Ben-David of Ohio State Universityand John R. Graham and Campbell R. Harvey of Duke — found that chief financial officers of major American corporations are not very good at forecasting the future. The authors’ investigation used a quarterly survey of C.F.O.’s that Duke has been running since 2001. Among other things, the C.F.O.’s were asked about their expectations for the return of the Standard & Poor’s 500-stock index for the next year — both their best guess and their 80 percent confidence limit. This means that in the example above, there would be a 10 percent chance that the return would be higher than the upper bound, and a 10 percent chance that it would be less than the lower one.

It turns out that C.F.O.’s, as a group, display terrible calibration. The actual market return over the next year fell between their 80 percent confidence limits only a third of the time, so these executives weren’t particularly good at forecasting the stock market. In fact, their predictions were negatively correlated with actual returns. For example, in the survey conducted on Feb. 26, 2009, the C.F.O.’s made their most pessimistic predictions, expecting a market return of just 2.0 percent, with a lower bound of minus 10.2 percent. In fact, the market soared 42.6 percent over the next year.

It may be neither troubling nor surprising that C.F.O.’s can’t accurately predict the stock market’s path. If they could, they’d be running hedge funds and making billions. What is troubling, though, is that as a group, many of these executives apparently don’t realize that they lack forecasting ability. And, just as important, they don’t seem to be aware of how volatile the market can be, even in “normal” times.

Another intriguing finding is that their confidence limits widen after bear markets, mostly because estimates at the lower bound become more pessimistic. This puts a new light on the recent comment by Ben S. Bernanke, the Federal Reserve chairman, that the economic outlook was “unusually uncertain.” Although I instinctively share that assessment, these results suggest that it may be an illusion: Yes, things feel more uncertain after bad times, but severe market downturns tend to occur after long bull markets when we are feeling least uncertain. In the C.F.O. survey conducted in mid-2007, for example, the average lower bound was for a market return of 0.2 percent in the next year. In other words, the worst-case scenario anticipated by the group was a flat market. Of course, the market was soon to begin its plunge.

Just like C.F.O.’s, chief executives often suffer from overconfidence, which can cause them to act unwisely. For example, in a 1986 paper, the economist Richard Roll of theUniversity of California, Los Angeles, suggested that overconfidence, or what he called hubris, could explain why companies pay large premiums to take over other businesses. These premiums seem puzzling because the acquiring companies often don’t seem to profit from the takeovers. Professor Roll pointed out that the acquirers have typically done very well in the recent past, leading their C.E.O.’s to the mistaken belief that their success can be replicated in takeover targets once they are in charge of them.

PROFESSOR ROLL recently wrote another paper on this topic with three French collaborators. In this case, they investigated a particular form of hubris — narcissism — by using a simple and unobtrusive gauge that has been validated by psychologists: just count the number of times a person uses the first-person pronoun in communication. They found that the more narcissistic C.E.O.’s make more aggressive takeovers at higher prices than their more self-effacing brethren do, and that these aggressive takeovers aren’t as well received by the stock market.

Two lessons emerge from these papers. First, we shouldn’t expect that the competition to become a top manager will weed out overconfidence. In fact, the competition may tend to select overconfident people. One route to the corner office is to combine overconfidence with luck, which can be hard to distinguish from skill. C.E.O.’s who make it to the top this way will often stumble when their luck runs out.

The second lesson comes from Mark Twain: “It ain’t what you don’t know that gets you into trouble. It’s what you know for sure that just ain’t so.”

Richard H. Thaler is a professor of economics and behavioral science at the Booth School of Business at the University of Chicago.

 

Este foi o lance da Copa ! Sem sombra de dúvidas. A mão salvadora do uruguaio Suarez.

 MANHA Salvadora ! a picardia…

Como diz meu amigo Pedrão (  http://blig.ig.com.br/fiodobigode/2010/07/06/o-mundo-na-mao/ ) – todos, sem excessão teriam feito esta infração ! e colocado a mão na bola.

O Pedrão esqueceu de mencionar que até o Papa teria colocado a mão naquela bola. Madre Tereza de Calcutá e Dalai Lama sem dúvidas teriam cometido o penalty.

O meu argumento – que quero defender veemente é que quem deveria ser banido da copa é o juiz que expulsou o Suarez. Ele pode entender de regra mas não entende nada da vida como ela é !  O mundo inteiro aplaudiu o Suarez…pelo oportunismo, brilhantismo, rapidez de raciocínio. Alguém sabe quem é o Juiz ? alguém se lembra dele ?

Todos se lembram mais do coitado do Ganense Asamoah Gyan que perdeu o penalty (repetindo o feito do Zezinho de Pato Branco) ( http://www.escutaisso.com.br/esporte/futebol/penalti-de-zezinho-pato-branco ) e, depois, na disputa de penalty, foi o primeiro a bater, e marcou um golaço…Que personalidade do Asamoah…

Este foi o jogo da Copa… Estes foram os lances da Copa… Esta copa será lembrada por estes últimos minutos do jogo Uruguay e Gana. O resto foi futebol….!!!!

“Nela, até agora, não pudemos saber que haja ouro nem prata, nem nenhuma coisa de metal, nem de ferro; nem as vimos. Mas, a terra em si é muito boa de ares, tão frios e temperados, como os de lá. Águas são muitas e infindas. De tal maneira é graciosa que, querendo aproveitá-la dar-se-á nela tudo por bem das águas que tem”.

“Mas o melhor fruto que nela se pode fazer, me parece que será salvar esta gente; e esta deve ser a principal semente que Vossa Alteza nela deve lançar.”

Pero Vaz de Caminha – Carta a el-rei dom Manuel, em 1500

Este nosso Brasil, tão novo e tão velho, agora é estrela mundial na comunidade dos investidores e, portanto, objeto de desejo da imprensa econômica. Quase 200 milhões de pessoas, habitantes desta parte do globo, agora denominados “consumidores”, que há cinco anos eram desconhecidos de todos entraram nas antenas das empresas globais.

Os fundos de investimentos de todos os cantos do mundo visitam nosso país procurando oportunidades para aproveitarem o rápido “crescimento à taxas chinesas” que este território poderá oferecer.

Já vivemos isto antes. Várias vezes! Mas desta vez há algumas mudanças estruturais bastante significativas que merecem reflexão sobre as vantagens que podemos tirar deste momento.

Taxas vigorosas de crescimento econômico nunca se mantiveram por longo tempo devido a com a fragilidade de nossa economia mono-produto – fortemente baseada em commodities naturais e agrícolas.

Nossa região neste globo, cujas fronteiras todos como Brasil – é grande produtora de proteínas: vegetais e animais. Estas commodities estavam desvalorizadas até alguns anos pois o mercado consumidor concentrava-se na Europa e nos Estados Unidos. Nossa fragilidade era muito grande. Só crescíamos quando a produção de proteínas nas economias centrais entrava em crise. Os termos de troca eram muito desfavoráveis : mandávamos um navio de soja com o que podíamos comprar um chip de computador !!!

Com a entrada da China e da Ásia no mercado internacional e o seu vigoroso crescimento econômico – o consumo mundial de commodities cresceu e o de proteínas também. A estrutura da demanda mudou e os termos de troca nos ficaram um pouco mais favoráveis.

Temos que aproveitar este momento para algumas mudanças estruturais na atividade econômica interna. Mudanças que transformem nossa economia e evitem o ciclo vícios do passado.

Produzir proteínas e explorar minério de ferro nunca foi atividade mão de obra intensiva. O movimento de distribuição de renda destas atividades não é muito forte. O crescimento baseado nestas atividades – deixado em ritmo de capitalismo selvagem provocará a concentração de renda e não dará dividendos nem transformações. Como temos concentração da propriedade agrária, concentração da produção nas mãos de poucos empreendedores, concentração de financiamento para os grandes produtores etc.. o resultado necessariamente será a concentração de renda. Voltaremos a produzir grandes empresários, símbolos do dinamismo brasileiro e milhares de famintos… no país das proteínas. Este filme é velho ! Já conhecemos…

Por outro lado, não temos vocação industrial. Nossa indústria é responsiva aos movimentos internacionais e – quando muito – substitutiva de importações. Isto se o cambio assim o incentivar e o governo subsidiar.

Portanto o desenlace deste momento de centro das atrações mundiais é conhecido: somos uma economia com moeda valorizada devido à forte exportação de commodities (famoso “efeito holandês”) que caminha aceleradamente para o processo de concentração de renda. As políticas públicas de “bolsas” (bolsa família, bolsa alimentação, bolsa qualquer coisa…) ajudam a distribuir renda enquanto a carga fiscal para os poucos pagadores de impostos assim suportar. Os governantes são necessariamente populistas e, portanto demagogos e irresponsáveis. Não podem ser de outro jeito. Recebem doações daqueles que concentram a renda para acalmarem as massas. E – cumprem a sua função de manter a ordem neste caos orquestrado.

Qual seria uma agenda de mudança, de transformação ? O que eu gostaria de ver nos programas de governo dos candidatos. O Governo Lula já esgotou a fase de resultados positivos que esta situação internacional nos trouxe. Soube explorar muito bem politicamente esta onda. Temos uma eleição à frente e os candidatos estão preparando seu conteúdo de governo.

Turismo é a resposta mais comum e a menos criativa delas : nosso diferencial competitivo exclusivo – “lençóis maranhenses só tem aquele!” está fazendo sua parte nesta busca de diversificação das nossas vocações. E os investidores internacionais estão respondendo com a construção de inúmeros hotéis e resorts pelo nosso nordeste. Esta atividade é mais justa socialmente pois promove a integração de dezenas de pessoas na prestação de serviços. A cadeia produtiva se expande através de mais educação profissionalizante, diversificação de atividades de lazer, etc.

Integrar nosso país na rede automobilística mundial é outra atividade que deu certo nestes últimos anos. Gerou emprego, distribuiu renda.. mas sempre estaremos longe do pólo de decisão que sãos quartéis generais das grandes montadoras (cada vez mais chinesas !!!)

Etanol é mais uma fonte autônoma de riqueza que terá valor mundial. Certamente poderemos ser os “xeiques do petróleo verde”, socialmente correto, ecologicamente aceitável. Mas de novo, o desafio será redistribuir esta renda que certamente terá mais um vetor de concentração.

O óleo do pré-sal é outra fonte de dinamismo. Colocará o país em outro patamar de alternativas gerando inúmeras oportunidades de atividade correlatas e diversificação de conhecimento. O resultado final – entretanto – será mais apreciação da nossa moeda pois seremos exportadores líquidos.

Temos várias fontes de dinamismo pela frente. É uma situação diferente daquelas existentes em situações de bonança cambial anteriores. Estamos melhores mas isto não é suficiente par uma vigorosa distribuição de renda que possa reverter este quadro social conseguimos construir ao longo destes anos dependência da economia mundial.

É urgente desenvolvermos mais vocações que promovam uma relativa independência. Até porque teremos concorrentes na produção de proteínas. O grande inimigo a ser batido é a China, com seus estoques “intermináveis” de mão de obra barata e que continuará a ser o parque fabril mundial inibindo a produção local de bens manufaturados.

Temos que pensar muito diferente… e evitar as mazelas das sociedades- como os estados árabes não conseguem superar a cultura econômica baseada em monoproduto. As sociedades daqueles países criaram uma cultura social baseadas em valores construídos em cima de uma economia monoproduto. Acho que não é isto que queremos para nosso gigante adormecido !!!

Grandes desafios para os candidatos transformarem a história deste pedaço do mundo pródigo em sol, água e terras e riquezas!!!! Ou sol, suor e cerveja!!!

Walmart fará investimento recorde no Brasil

Núñez diz que relevância do País fica cada dia mais forte dentro da rede. A cifra será anunciada na próxima semana

Estado de São Paulo – 17.12.2009 – Caderno de Economia 

Na próxima semana, o presidente do Walmart, Héctor Núñez, deve anunciar o maior investimento da rede no País. A cifra é mantida em segredo. O Brasil, ao lado da Índia e da China, está entre as subsidiárias que mais recebem dinheiro da matriz. A compra do controle das Casas Bahia pelo Pão de Açúcar só tornou ainda mais evidente a necessidade de apostar alto no mercado. “A relevância do Brasil no Walmart cresce a cada dia. Tem um país que verdadeiramente está virando um país de classe média”, diz Núñez. O executivo também está entusiasmado com o sucesso da operação da internet. Novato na rede, Núñez diz que o Walmart já vende hoje o planejado para meados de 2011. A seguir, os principais trechos da entrevista:

Com a compra do controle das Casas Bahia pelo Pão de Açúcar, a distância entre vocês ficou abissal. Como o Walmart pretende contra-atacar?

Não vou comentar ações da concorrência. O que posso dizer é que os nossos investimentos serão bastante agressivos, recordes na história do Walmart no Brasil. Se sua pergunta é: “Estão interessados em fazer aquisições?”, sempre estamos abertos para ouvir e ver oportunidades para crescer no Brasil. Hoje, não temos nada sendo avaliado.

Nos últimos meses muito se falou de uma eventual aquisição da filial brasileira do Carrefour pelo Walmart. Houve alguma conversa?

Não posso comentar absolutamente nada. O Carrefour tem de cuidar do Carrefour e o Walmart tem de cuidar do Walmart.

Como o Brasil está sendo visto pela matriz, sobretudo agora, com perspectiva de Copa do Mundo e Jogos Olímpicos?

O Brasil sempre foi importante no portfólio geral da empresa. Isso ficou evidente com as aquisições que fizemos em 2004 e 2005. E mais evidente ainda neste ano, um ano de crise, que investimos R$ 1,6 bilhão para abrir 90 lojas.

R$ 1,6 bilhão = US$ 1 bilhão que corresponde à menos de 9% do alucro anual do Wall Mart reportado em 2009. O Wall Mart  possui vendas anuais de mais de  US$ 400 bilhões – aproximadamente 25% do PIB brasileiro !!!!

Estão “escolhendo” se optam por crescimento orgânico ou se crescem por consolidação (comprando os concorrentes)…

 

Rua Santa Efigiênia ( ou Ifigênia) (ou não !)

Sábado – 13:00 – chuva

Camelô vendendo jogos de video game DE FUTEBOL piratas (ou não ?) grita

Aqui tem PALMEIRAS NA LIBERTADORES !!!!!!!! 

este cara merece a bola de ouro da CBF e do Placar…é a melhor do ano…